Plantar e conservar: descubra as alternativas para a agricultura sustentável

A agricultura é uma atividade milenar, que surgiu no período neolítico como maneira de garantir alimentos em um lugar fixo, fazendo com que a humanidade abandonasse hábitos nômades. Essa produção fixa possibilitou que os alimentos se tornassem mais acessíveis, garantindo a sobrevivência de comunidades que antes sofriam com a fome.

Com o passar do tempo, o ser humano aprendeu técnicas e aprimorou a produção agrícola. Os avanços tecnológicos e científicos aumentaram a quantidade de alimentos produzidos e a agricultura tornou-se uma potência. Apesar do benefício de uma produção mais abundante, os meios que levaram a isso faziam mal ao meio ambiente: o solo se contaminava, os nutrientes se desgastavam e os campos se tornavam inférteis. Com isso, surge a necessidade de se pensar em uma agricultura sustentável.

Necessidade de um futuro sustentável

Milhares de anos após o surgimento da agricultura, a humanidade tomou consciência da importância de uma biodiversidade conservada. Afinal, recursos naturais altamente explorados um dia se tornam improdutivos. Com esse pensamento, a sociedade passa a buscar maneiras de explorar a agricultura de maneira mais sustentável.

Atualmente, são muitas as técnicas de manejo do solo e de produção que possibilitam a conservação da biodiversidade em terrenos agrícolas. Além da preocupação ambiental, essas iniciativas, em geral, também possuem um viés social. As alternativas para a agricultura sustentável fazem bem para a natureza e para a sociedade. Vamos conferir algumas delas:

As alternativas para uma agricultura sustentável

  • Urban Farming

Essa técnica significa agricultura urbana e se trata da produção de alimentos em áreas metropolitanas. A população de um grande centro cultiva, processa e distribui alimentos de uma horta — que pode ser individual ou coletiva. No Brasil, muitos condomínios e centros de convivência já fazem parte desse movimento.

  • Agricultura familiar

A atividade é uma potência no que diz respeito à agricultura sustentável. No Brasil, a agricultura familiar representa 77% de todos os estabelecimentos agrícolas e é desenvolvida em pequenas propriedades por grupos familiares. Em geral, o cultivo é feito sem uso de agrotóxicos e respeitando limites de exploração da terra.

  • Rotação de culturas

Essa técnica visa evitar a exaustão do solo e pode ser utilizada em pequenas e grandes escalas — possibilitando que mesmo os latifúndios se tornem mais sustentáveis. Esse método, assim como o nome sugere, utiliza da plantação de espécies alternadas que necessitam de diferentes nutrientes do solo. Assim, a terra não sofre uma exploração extensiva e ainda produz diferentes tipos de produto. 

  • Agroflorestas

Esse sistema combina o cultivo de produtos agrícolas e árvores em um mesmo terreno. As espécies vegetais trabalham juntas fazendo com que os alimentos sejam cultivados e as árvores garantam redução na degradação do solo e da água.

  • Cooperativas agrícolas

São associações de pessoas, geralmente da mesma comunidade, em que diversos agricultores de uma mesma região se unem para produzir e vender em maior quantidade, atingindo melhores condições de venda. Geralmente, essas organizações envolvem produções da agricultura familiar e potencializam a ação dos pequenos produtores e, consequentemente, a conservação do solo.

O futuro sustentável está sendo plantado

Como podemos perceber pela lista de alternativas sustentáveis, a agricultura tem se tornado uma atividade cada vez mais ecológica. Essa virada de prioridades nas atividades agrícolas é essencial para garantir que o meio ambiente seja capaz de continuar produzindo alimentos no futuro, sem ter seus recursos esgotados. Atualmente existem regulamentações que exigem que a exploração da agricultura seja controlada, mas é preciso difundir ainda mais esse plano e fazer com que a fiscalização seja efetiva.

Para saber em detalhes como uma dessas alternativas garante resultados positivos para a natureza e a sociedade, leia nosso blogpost sobre cooperativas.

Compartilhe

Publicações relacionadas

Gostou do nosso conteúdo?

Assine nossa newsletter e receba mais novidades sobre a Economia de Impacto.

Ir para o conteúdo