Atuação na Amazônia através do Programa Território Médio Juruá impacta positivamente ribeirinhos e indígenas

Em 2020, a SITAWI continuou atuando na Amazônia através do Programa Território Médio Juruá (PTMJ). Com encerramento inicialmente previsto para o mês de junho, o Programa Territorial, que caminhava para o seu terceiro e último ano, teve sua duração estendida em 6 meses por conta da pandemia da COVID-19. O adiamento e encerramento em janeiro de 2021 foram essenciais para que a conclusão das ações de campo dos projetos fosse possível, garantindo tempo para uma retomada mais segura das atividades nas comunidades.

Financiado pela USAID e apoiado pela Natura e pela Coca-Cola e em parceria com os membros do Fórum do Território do Médio Juruá, o PTMJ atuou em diversas frentes na promoção de um Plano de Desenvolvimento Territorial para a região do Médio Juruá, no estado do Amazonas. O Programa foi finalista do Prêmio Equador, organizado pelo Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), recebendo reconhecimento internacional pelos resultados de impacto positivo no território onde atuou.

Dentro do Programa, a cadeia produtiva de óleos vegetais aumentou sua capacidade de produção, atingindo um volume total de 14 toneladas e beneficiando 2.500 pessoas entre ribeirinhos e indígenas. O manejo sustentável do pirarucu também foi impactado positivamente, criando oportunidades de trabalho e renda. Cerca de 91 toneladas de pirarucu foram pescadas, gerando uma renda média de R$ 2.455,97 para 209 famílias ribeirinhas do Médio Juruá. A pesca sustentável desenvolvida e estimulada na região, respeita os limites de exploração dessa espécie e contribui para a conservação de outras nos lagos de manejo e preservação. Consequentemente, o pirarucu e alguns quelônios presentes na região, como a tartaruga-da-Amazônia e o tracajá, também foram preservados.

O Programa também coordenou estudos sobre os efeitos das mudanças climáticas na sociobiodiversidade do Rio Juruá, para investigar os potenciais impactos das mudanças climáticas no ecossistema local e na vida da população residente no território. Ainda no ano de 2020, o Programa levou uma tecnologia de energia solar simples e econômica para a região, através de uma ação da organização Litro de Luz, em parceria com a ASPROC, para melhorar a qualidade da iluminação por meio do fornecimento de energia limpa nas comunidades ribeirinhas. Mais de 120 moradores das comunidades locais foram beneficiados.

Para mais informações, entre em contato conosco.

Publicações relacionadas