Como o blended finance alimenta os investimentos de impacto?

Entre os novos conceitos que invadem o cotidiano dos investidores que decidem enveredar pelo mercado de negócios de impacto, um certamente deve ser dos primeiros a serem conhecidos: o blended finance ou financiamento combinado.

Como a própria expressão diz, blended finance ou blended capital é uma combinação de capitais, mais especificamente do investimento privado com outras fontes de captação – como fundos de investimentos -, Ela é utilizada em muitos casos pelas plataformas de empréstimo coletivo – que vêm sendo reconhecidas como um dos melhores canais de investimentos no ecossistema financeiro criado pela Nova Economia para alavancar negócios de impacto social e ambiental.

Incentivo e crescimento

Em uma definição mais apurada, o blended finance é uma abordagem estruturante que reúne interesses de organizações diversas que vão investir em conjunto para alcançar seus objetivos. De acordo com a cartilha da Convergence Finance – rede global de pesquisa e projetos de blended finance focados em países em desenvolvimento -, o financiamento combinado possui características básicas que marcam as suas transações:

1. É uma operação que contribui para o cumprimento dos ODS da ONU (mesmo que nem todo participante tenha um objetivo de desenvolvimento, mas sim de remuneração de capital);
2. Diferentes investidores terão expectativas de retorno diferentes (com exceção do capital filantrópico), mas o investimento que utiliza blended finance deve apresentar taxas compatíveis com o mercado. Isto significa que se trata de um investimento capaz de remunerar corretamente tanto o empreendimento socioambiental quanto o investidor de impacto;
3. É alinhado com investimentos públicos e/ou filantrópicos que são catalisadores de recursos. A participação dessas partes melhora o perfil de risco/retorno da transação e aumenta a atração do setor privado.

Embora a operação de blended finance tenha tido destaque nos últimos anos, ela vem sendo estimulada há algum tempo e já oferece resultados consolidados sobre seu crescimento no que se refere ao número de transações. Até 2018, as operações sob uma gestão de abordagem blended finance foram, superaram a ordem dos US$ 130 bilhões em capital para o desenvolvimento sustentável nos países em desenvolvimento.

Aliás, foi na Terceira Conferência Internacional sobre Financiamento para o Desenvolvimento, realizada pela Organização em 2015, que o conceito de blended finance foi reconhecido como uma alternativa de capitalização e financiamento dos projetos com objetivos de desenvolvimento sustentável de acordo com os ODS da ONU.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirmou, por exemplo, em seu documento “Blended Finance: mobilizando recursos para o desenvolvimento sustentável e ações climáticas em países em desenvolvimento” que o financiamento combinado pode ajudar a alavancar os US$ 2,5 trilhões anuais de gap que são hoje necessários para fazer com que os países em desenvolvimento atinjam os objetivos da ODS da ONU e o planeta escape de um colapso climático.

Portanto, o seu capital pode ajudar a impulsionar negócios alinhados à essa agenda através de abordagens como o blended finance.

A SITAWI faz uso deste modelo para desenvolver mecanismos financeiros que tornem o investimento de impacto mais atrativo tanto para o investidor de impacto, quanto para o empreendedor de impacto. Desde 2019, a Plataforma de Empréstimo Coletivo SITAWI vem apoiando organizações com alto potencial de geração de impacto socioambiental positivo através de um capital mais barato, abundante e paciente, que possibilita o desenvolvimento e a expansão de suas operações.

Confira as principais vantagens de se tornar um #investidordeimpacto através da Plataforma de Empréstimo Coletivo da SITAWI!

Publicações relacionadas