Natureza e economia: uma relação mútua

A natureza está em crise e nós também. Durante séculos nós a exploramos de forma descontrolada, resultando em demandas que excedem sua capacidade de nos prover os bens e serviços essenciais para a nossa sobrevivência. Como consequência, atualmente, precisamos de cerca de 1,7 planeta para atender nossa demanda anual de recursos naturais.

No entanto, apesar do conhecimento de que dependemos diretamente da natureza para sobreviver, durante muito tempo da nossa história, a relação entre economia e natureza não foi motivo de grandes interesses e preocupações. Isso porque não se acreditava que houvesse perdas econômicas significativas em razão dos riscos climáticos e ambientais.

Segurança da economia através da natureza

Engana-se quem ainda acredita que essa não é uma relação de interdependência. O estudo The New Nature Economy Report revelou que mais da metade do PIB mundial é moderada ou altamente dependente da natureza e de seus serviços — um total de US$ 44 trilhões em geração de valor econômico.

Uma vez que a natureza perde sua capacidade de fornecer esses serviços, uma infinidade de atividades econômicas correm o risco de serem significativamente interrompidas. Esse cenário mostra que, sem ação rápida e organizada, a emergência da perda de biodiversidade criará incertezas para todos os setores de mercado e representa uma ameaça urgente e não linear para a segurança da nossa economia.

Além disso, em razão de sua importância econômica, esse assunto tem despertado interesse de diversos investidores que, cada vez mais, enxergam como fundamental a preocupação dos negócios com a biodiversidade na seleção de ativos e na gestão da carteira de investimentos. Isso significa que empresas e instituições financeiras precisam investir no conhecimento aprofundado de como impactam e dependem da natureza, pois tudo indica que em um futuro próximo essa informação será fundamental.

À medida que a tendência para maior transparência e responsabilidade vem se tornando um fator diferencial, é provável que os custos aumentem para os negócios que ainda não começaram a incluir a natureza no centro das preocupações da organização. Aquelas que, o quanto antes, incorporarem a natureza em suas estratégias tendem a desenvolver vantagens competitivas e financeiras em relação às suas concorrentes. 

Como colocar isso em prática

Alinhada à meta 15 do Marco Global da Biodiversidade da COP 15, a Força-Tarefa para Divulgações Financeiras Relacionadas com a Natureza (TNFD) foi criada em resposta à essa necessidade crescente de considerar a natureza nas decisões financeiras e comerciais. Seu objetivo final é apoiar uma mudança nos fluxos financeiros globais, transitando de resultados negativos para positivos para a biodiversidade. 

A Sitawi é uma das organizações pioneiras a executar um estudo piloto do TNFD no Brasil e, por isso, tem experiência em adequar a plataforma ao contexto nacional. Visamos participar e conduzir avaliações de riscos e oportunidades relacionados com a natureza, caso as organizações estejam comprometidas a avançar na mobilização de recursos para a construção de programas territoriais ou soluções financeiras para a conservação.

Esse é um passo fundamental para todos os negócios que desejam não apenas contribuir positivamente para o meio que garante a nossa sobrevivência, mas também sua segurança financeira.

Quer começar a ter essa estratégia na sua organização? Fale conosco

Publicações relacionadas

Ir para o conteúdo