Hábitos que impactam: ações individuais para conservação do meio ambiente

Após milhões de anos de vida humana no planeta terra, aspectos climáticos e ambientais se tornaram um problema grave e urgente. São diversas espécies extintas, ecossistemas devastados, rios poluídos e uma enorme crise climática — todas essas questões ameaçam o bem estar na terra e são agravados pela ação de organizações que não reconhecem a importância da biodiversidade. Na Sitawi, acreditamos que o impacto socioambiental deve ser prioridade e pensado individual e coletivamente para ter ainda mais abrangência.

Se você também acredita que a união faz a força e que isso amplia a conservação do planeta que chamamos de lar, já deve saber que pequenas ações cotidianas podem fazer a diferença. Ao somarmos os esforços de cada um, a transformação ambiental é impulsionada. Por esse motivo, listamos algumas dicas de ações práticas que, feitas coletivamente, podem virar o jogo das questões climáticas e naturais. Confira:

Para fazer em casa:

  • Dê preferência aos produtos de procedência sustentável 

Existem diversas empresas que buscam produzir da maneira mais sustentável possível, utilizando materiais recicláveis e realizando um descarte correto. 

  • Utilize objetos de metal e vidro, que possam ser reutilizados

Objetos de vidro e metal têm uma durabilidade maior do que os de plástico. Dessa maneira, são descartados em menor quantidade.

  • Separe o lixo

A coleta seletiva favorece a reciclagem e faz com que o lixo seja descartado de maneira correta e menos prejudicial à natureza.

Para fazer na rua:

  • Não jogue lixo no chão

O acúmulo de lixo nas ruas obstrui bueiros, favorece enchentes e polui o ambiente urbano.

  • Evite utilizar plásticos descartáveis

Plásticos não biodegradáveis demoram em média 100 anos para se decompor. Por isso, utilizar o mesmo plástico mais de uma vez evita a poluição.

Para fazer no trabalho:

  • Inicie um grupo de caronas ou vá de transporte público

Os carros ainda são os maiores causadores da poluição do ar. Utilizar ao máximo o espaço de cada veículo faz com que o dano seja reduzido – assim como o trânsito. 

  • Leve sua garrafa de água

Cada copo de água leva até 100 anos para se decompor, levando sua garrafa de água você evita a produção de lixo desnecessária.

  • Prefira documentos digitais

Uma única folha de papel demanda 10 litros de água para ser produzida. Utilizando recursos digitais para assinar e encaminhar documentos, você evita o gasto desnecessário. 

Juntos fazemos a força

Muitas pessoas não enxergam o potencial das ações individuais para a conservação do meio ambiente. Afinal, são pequenos hábitos. É preciso pensar que não são os atos de cada um que farão a diferença, mas, sim, a junção de todas as partes. Compartilhando a responsabilidade da mudança, unimos forças e diminuímos a degradação do planeta. 

A coletividade estimula os propósitos de transformação: se os mais de 200 milhões de brasileiros consumissem apenas a quantidade de água diária recomendada – trocando os 200 litros médios por 110 – seria possível economizar quase 20 bilhões de litros de água por dia, conforme indicam os dados da Organização das Nações Unidas.

Além das pequenas ações

Para além das ações individuais, é preciso considerar também os maiores consumidores de recursos naturais: indústria e agricultura. Estes setores, juntos, são responsáveis por mais da metade da água consumida em todo o Brasil, além de terem grande responsabilidade sobre a emissão de gases poluentes e poluição de rios e mananciais. 

Considerando que todas as forças são necessárias – das menores até as mais expressivas – é preciso pensar também em alternativas sustentáveis para a produção industrial e agropecuária. Na Sitawi, somos pioneiros em analisar os riscos e oportunidades e transformá-los em instrumentos financeiros que promovam a conservação da natureza.

Quer saber como? Leia nosso Mapeamento de Instrumentos Financeiros para Conservação.

Compartilhe

Publicações relacionadas

Gostou do nosso conteúdo?

Assine nossa newsletter e receba mais novidades sobre a Economia de Impacto.

Ir para o conteúdo