Como o Blended Finance pode ajudar empresas se alinharem aos ODS

Transformando desafios em oportunidades: o papel do financiamento híbrido na era da sustentabilidade

Com a intensificação dos efeitos da crise climática, como a tragédia ambiental do Rio Grande do Sul, ou a seca histórica que assolou a Amazônia em 2023, os debates de como as empresas podem ser aliadas na transformação ganharam força. Nesse cenário catastrófico, a necessidade de abordagens inovadoras e resilientes para enfrentar esses desafios ganha ainda mais relevância. É aí que entra o chamado blended finance.

O que é blended finance?

Também conhecido como finanças híbridas ou financiamento misto, é uma estratégia de investimento que combina diferentes tipos de capital, com objetivos de retorno independentes e diferentes tolerâncias ao risco, podendo ser por exemplo: capital público + privado; dois formatos de capital privado; capital filantrópico + público… —. Seu objetivo é financiar iniciativas que gerem impacto positivo social, ambiental ou de desenvolvimento econômico. Essa modalidade se destaca, principalmente, por contribuir com o alcance dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU), estabelecidos pela ONU, para cumprirmos a Agenda 2030.

Por que empresas devem se aliar aos ODS?

Os ODS representam um desafio global ambicioso, visando resolver uma série de questões cruciais, que vão desde as mudanças climáticas até a erradicação da pobreza e da fome. No Brasil, com tantos problemas a serem resolvidos, as iniciativas de blended finance encontram um terreno fértil. Isso porque porque o ESG há muito tempo deixou de ser uma opção, para se tornar um critério decisivo para muitos investidores e consumidores. Mas ESG sem gerar impacto positivo basta? Não!

Em 2019, durante o Fórum Econômico Mundial, a ONU divulgou uma estimativa indicando que os investimentos necessários para alcançar os ODS estavam na faixa de US$ 5 a US$ 7 trilhões anuais, o que equivale a apenas 1% a 2% do total de ativos financeiros globais. Nesse ritmo, especialistas apontam que a agenda 2030 de desenvolvimento sustentável só será cumprida em 2086. Mas precisamos de soluções agora! Por isso, é fundamental que as empresas criem soluções rápidas para resolver e mitigar os desafios presentes e futuros.

Como as empresas podem contribuir com a Agenda 2030?

Uma solução promissora é o blended finance. Para financiar o desenvolvimento sustentável e soluções financeiras em sintonia com a agenda 2030 da ONU, essas estruturas adotam o uso estratégico de capital catalítico para mitigar o risco dos projetos de impacto e atrair capital comercial. Dessa forma, cada ator contribui com o tipo de capital que tem/pode e recebe o que lhe é importante – seja impacto, retorno financeiro ou um mix de ambos.

Mas, o principal desafio ao direcionar esses investimentos para os ODS é equilibrar a relação entre risco e retorno, a fim de atrair capital privado e maximizar o impacto.

Para isso, com uma experiência de mais de 15 anos, a Sitawi desenvolveu uma abordagem inovadora que, a partir do financiamento misto, promove o desenvolvimento de organizações impact first, viabiliza retorno financeiro atrativo para investidores e ajuda empresas a se aliarem à agenda ESG, com impacto comprovado.

Diante da urgência em resolver os desafios que enfrentamos, é essencial que as empresas se engajem em iniciativas inovadoras e eficazes para mitigar problemas e construir um futuro mais sustentável. Quer saber como sua empresa pode promover o impacto positivo através do blended finance? Entre em contato com a gente! Estamos prontos para oferecer soluções atrativas que se alinhem aos seus objetivos e valores.

Compartilhe

Publicações relacionadas

Gostou do nosso conteúdo?

Assine nossa newsletter e receba mais novidades sobre a Economia de Impacto.

Ir para o conteúdo